• Clarissa Ferreira

Grávidas, bora pra estrada!?


Muita coisa mudou desde que nossas avós tiveram seus bebês e médicos ainda lhes recomendavam muito repouso e descanso em casa. Hoje, nada é mais natural do que mulheres grávidas dando duro no trabalho, se exercitando regularmente, saindo com as amigas e… viajando pelo mundo!

Apesar de algumas vozes contrárias - quase sempre de outras gerações - tentarem te convencer de que viajar grávida não é uma boa ideia, pode acreditar que, com os devidos cuidados e seguindo algumas boas dicas, é possível se aventurar por aí antes da chegada do bebê.

Então, converse logo com sua obstetra e planeje sua viagem, afinal você merece alguns dias de folga para relaxar e desocupar a cabeça, que provavelmente está a mil com tantas mudanças.

(FOTO: André Garcia | Búzios - RJ, 34 semanas de gestação)

Nós tivemos a chance de fazer duas viagens mais longas e outras curtinhas ao longo da minha gravidez e cada uma trouxe lições diferentes que me fizeram querer escrever este texto para ajudar futuras mamães e papais a viajarem com mais conforto e tranquilidade.

-> Escolha o melhor trimestre para cair na estrada

Nem sempre as agendas do casal colaboram com os planos de férias, mas caso seja possível escolher o período da viagem saiba que o segundo trimestre costuma ser o mais confortável para a gestante. Nessa época, os enjôos e o cansaço inicial já estão ficando pra trás e a barriga ainda não atingiu aquele tamanho difícil de manejar.

Foi durante o segundo trimestre que fizemos nossa mudança de volta ao Brasil e a energia extra foi fundamental não apenas para lidar com malas, caixas e tanta novidade, mas também para pular nosso primeiro carnaval depois de cinco anos longe de casa.

Nos outros dois trimestres, porém, percebi que o bem estar geral é um pouco mais volúvel... Nós passamos dez dias no Japão no começo da gestação e, apesar de não ter enjoado durante a gravidez, senti um sono sem fim e uma fome incontrolável que atrapalharam um pouco o ritmo da viagem. Também tive que lidar com inesperadas dores nas costas e cólicas que deixaram os trajetos de trem ainda mais longos.

Já na entrada do terceiro trimestre fizemos a nossa "babymoon" (como descobri recentemente que se chama a última lua de mel do casal antes da chegada do bebê) e fomos de carro do Rio à Santa Catarina numa viagem que durou dez dias. Ter tempo de parar pelo caminho para comer, esticar as pernas, ir ao banheiro (foram muitas paradas para o xixi…) foi fundamental para o meu conforto. Ainda assim, foi o único período em que precisei lidar com tornozelos inchados durante toda a gestação. E é aí que entra a segunda dica...

-> Considere um destino que combine com seu novo ritmo

É difícil para uma viajante que sempre topou tudo na estrada admitir que uma tarde de caminhada pela cidade sugou toda a sua energia, ou que o prato famoso daquele restaurante badalado não soa tão delicioso quanto à macarronada que você está desejando desde que acordou, ou então que a cama do hotel parece mais convidativa do que o tour que você havia planejado.

Acontece que aceitar que seu ritmo não é mais o mesmo agora que você está produzindo um ser humaninho aí dentro é o primeiro passo para garantir uma viagem confortável e prazeirosa. Por isso, leve as suas novas limitações em consideração quando for escolher o destino da sua próxima aventura, assim será mais fácil não se sentir culpada por não conseguir fazer a viagem que planejou.

Repare no tipo de acomodação disponível nos lugares que pretende visitar, já que uma boa noite de sono vai ajudar você a recuperar as energias que estão se esvaindo a passos largos (uma noite num ryokan no Japão, por exemplo, foi uma péssima pedida pra mim). Você também pode estar precisando de um bom banheiro para as duras horas de enjoo matinal ou de um café da manhã reforçado pra acalmar a fome.

Pense também nos deslocamentos entre as cidades que irá visitar já que esticar as pernas é importantíssimo. Sem contar que a sua bexiga talvez esteja precisando ser esvaziada com uma frequência nunca antes imaginada. Reconsidere trajetos de barco que possam despertar aquele enjoo e também longas viagens em ônibus que não tenham banheiro nem façam paradas decentes pelo caminho.

Para diminuir o cansaço, pense num destino em que você não precise fazer longas caminhadas, subir muitas ladeiras ou escadas e lembre-se de conferir o clima, já que verão nível maçarico e barrigão não combinam. Escolher uma bela praia para ver as horas passarem pode ser uma boa pedida, assim como revisitar uma de suas cidades preferidas. Sem a pressão de conhecer um novo destino ou realizar aquela viagem dos sonhos fica mais fácil reduzir a marcha sem culpa.

(Leia também: "Trilhas e caminhadas em Ubud, Bali")

(FOTO: André Garcia | Guarda do Embaú - SC, 30 semanas de gestação)

-> Comida, comida, comida

Desde que você engravidou, comida tem sido um pensamento constante na sua vida, acertei? Imagina depois de estar há dias na estrada! Se você não tem lidado com um super enjoo talvez esteja encarando com uma super fome ou talvez às voltas com alguns desejos alimentares inesperados.

Quando planejamos nossa viagem ao Japão, sonhava com a comida que tinha me conquistado na primeira visita ao país. Para a minha surpresa total, quando chegamos lá eu não queria ver nenhuma comida japonesa na minha frente e meu corpo pedia apenas pão, massa ou então uma salada fresca. A sorte é que por lá é possível encontrar ótimos mercados e restaurantes e eu consegui aplacar meus estranhos desejos de grávida.

O problema é que nem todo lugar é assim. Se estiver indo viajar a alguma cidade onde será difícil escapar da culinária local, leve na mala algumas opções para improvisar um lanchinho na estrada caso sinta necessidade. Observe o que seu corpo anda pedindo e abasteça antes de sair de casa.

(Leia mais: "As melhores comidas da Ásia")

-> Roupa: conforto em primeiro lugar

Na hora de fazer as malas, pense nas mudanças pelas quais seu corpo está passando, mesmo que você ainda esteja nas primeiras semanas de gestação. Antecipe os possíveis inchaços, gases, cólicas, dores nas costas, nos seios e por aí vai. Gravidez é uma caixinha de surpresas e cada dia pode trazer um novo desafio. Por isso, roupas confortáveis vão ajudar, e muito, a encarar a viagem pela frente.

Calças apertadas na barriga, por exemplo, não se dão com as horas que você vai ter que passar sentada no avião ou no carro, assim como aquele sutiã sexy que agora esmaga suas costelas. O salto que você separou para desfilar à noite vai se tornar peso extra se seus pés resolverem começar a inchar, assim como aquele casaquinho que, da noite pro dia, ficou apertado na barriga. Por isso, invista um tempo a mais na arrumação da mala e seja inteligente nas escolhas. Aliás, pense duas vezes antes de colocar tudo dentro do seu mochilão de estimação. Por mais que doa - em mim doeu - a mala de rodinhas neste período será sua melhor amiga.

(Leia também: "Mulher no Irã: como se vestir")

(FOTO: André Garcia | Carnaval no Rio, 25 semanas de gestação)

-> Checklist e precauções

Se você, assim como eu, é dessas viajantes que curte cair na estrada sem muitos planejamentos deixando espaço para o inesperado acontecer, dê um tempo no seu lado mais impulsivo e assuma a viajante caxias que existe dentro de você. Prepare sua checklist e garanta que sua viagem flua sem estresse, lembrando que o que era apenas um perrengue divertido em outras ocasiões pode ser um desafio de verdade nesse período.

Marque uma consulta com a sua médica pouco antes de embarcar para um último check up. Caso já esteja no terceiro trimestre da gestação talvez precise de um atestado dela para poder embarcar. Aliás, lembre-se de consultar a companhia a aérea para saber qual o limite de semanas permitido para o embarque.

Não se esqueça de levar as vitaminas ou outras medicações que esteja tomando já que a comunicação nas farmácias pelo mundo afora pode ser um desafio. Tenha em mãos o contato do seu médico e informe-se junto ao plano de saúde como proceder em caso de emergência.

-> Vôos internacionais

Se longas viagens de avião já são incômodas, grávida, então, é ainda mais chato de encarar. Procure sentar no corredor para poder se movimentar com frequência já que nesse período trombose é um risco real (sem contar as idas constantes ao banheiro...). Não se esqueça de colocar meias de compressão na bagagem de mão e vesti-las assim que o avião decolar! Lembre-se de se hidratar bastante ao longo do vôo e evite passar longas horas sem se alimentar.

Tomando as devidas precauções e prezando pelo seu conforto e segurança, você vai ver que viajar grávida é uma delícia. Um tempo para você e seu companheiro (ou companheira) curtirem a dois um momento muito especial na vida de vocês e ainda aproveitar pra caprichar no álbum de família!

Não deixem de contar pra gente depois como foi!


© 2013 by A Culpa é do Fuso Proudly created with Wix.com